Mata Atlântica

Características da Fauna, Flora e vegetação da Mata.

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. As florestas atlânticas apresentam árvores com folhas largas perenes. Há grande diversidade de epífitas, como bromélias e orquídeas. Não deve ser confundida com a floresta Amazônica, ou selva Amazônica, em especial no Brasil

Em função do desmatamento, principalmente a partir do século XX, encontra-se hoje extremamente reduzida, sendo uma das florestas tropicais mais ameaçadas do globo. Apesar de reduzida a poucos fragmentos, na sua maioria descontínuos, a biodiversidade de seu ecossistema é uma dos maiores do planeta.

Flora
Se você fizer uma viagem do nordeste ao sul do Brasil, pelo litoral e pelos planaltos interioranos, não irá admirar simplesmente a bela paisagem da floresta atlântica, mas sim uma série de variações conhecidas por nomes como Ombrófila Densa, Ombrófila Mista, Estacional Semidecidual, Estacional Decidual, além de ecossistemas associados como os campos de altitude, manguezais, restingas, brejos interioranos e ilhas oceânicas.

Tal variedade se explica pois, em toda sua extensão, a Mata Atlântica é composta por uma série de ecossistemas cujos processos ecológicos se interligam, acompanhando as características climáticas das regiões onde ocorrem e tendo como elemento comum a exposição aos ventos úmidos que sopram do oceano. Isso abre caminho para o trânsito de animais, o fluxo gênico das espécies e as áreas de tensão ecológica, onde os ecossistemas se encontram e se transformam.

É fácil entender, portanto, porque a Mata Atlântica apresenta estruturas e composições florísticas tão diferenciadas. Uma das florestas mais ricas em biodiversidade no Planeta, a Mata Atlântica detém o recorde de plantas lenhosas (angiospermas) por hectare (450 espécies no Sul da Bahia), cerca de 20 mil espécies vegetais, sendo 8 mil delas endêmicas, além de recordes de quantidade de espécies e endemismo em vários outros grupos de plantas. Para se ter uma idéia do que isso representa, em toda a América do Norte são estimadas 17.000 espécies existentes, na Europa cerca de 12.500 e, na África, entre 40.000 e 45.000.

Mas a Mata Atlântica encontra-se em um estado de intensa fragmentação e destruição, iniciada com a exploração do pau-brasil no século XVI. Até hoje, ao longo do bioma são exploradas inúmeras espécies florestais madeireiras e não madeireiras – como o caju, o palmito-juçara, a erva-mate, as plantas medicinais e ornamentais, a piaçava, os cipós, entre outras. Se por um lado essa atividade gera emprego e divisas para a economia, grande parte da exploração da flora atlântica acontece de forma predatória e ilegal, estando muitas vezes associada ao tráfico internacional de espécies.

Contribuem ainda para o alto grau de destruição da Mata Atlântica, hoje reduzido a 7% de sua configuração original, a expansão da indústria, da agricultura, do turismo e da urbanização de modo não sustentável, causando a supressão de vastas áreas de biodiversidade, com a possível perda de espécies conhecidas e ainda não conhecidas pela ciência, influindo na quantidade e qualidade da água de rios e mananciais, na fertilidade do solo, bem como afetando características do microclima e contribuindo para o problema do aquecimento global. Os números impressionantes da destruição do bioma demonstram a deficiência em políticas de conservação ambiental no país e a precariedade do sistema de fiscalização dos órgãos públicos.

Fauna

Mico-leão-dourado, onça-pintada, bicho-preguiça, capivara. Estes são alguns dos mais conhecidos animais que vivem na Mata Atlântica. Mas a fauna do bioma onde estão as principais cidades brasileiras é bem mais abrangente do que nossa memória pode conceber. São, por exemplo, 261 espécies conhecidas de mamíferos.

ANIMAIS EM EXTINÇÃO:

O panda gigante da China, o elefante africano, o cervo-da-tailândia, o cavalo selvagem da Europa Central, o bisão da França, a baleia-azul, o leopardo, o lobo-vermelho, o orangotango, Cervo-do-pantanal , Onça-pintada , Mono-carvoeiro , Pica-pau-de-cara-amarela , Arara-azul , Matum-do-nordeste , Mico-leão-dourado , Tartaruga-de-couro, entre outros.

Mais algumas informações importantes sobre a Mata Atlântica podem ser encontradas em:

1-         Conexão Mata Atlântica (http://www.conexaososma.org.br/)

2-         http://educar.sc.usp.br/licenciatura/trabalhos/mataatl.htm

3-         Apremavi (http://www.apremavi.org.br/mata-atlantica)

4-         Portal da reserva da biosfera da Mata Atlântica (http://www.rbma.org.br/default_02.asp)

5-         Rede de ONGs da Mata Atlântica (http://www.rma.org.br/v3/action/template/display.php?style=index)

http://www.aliancamataatlantica.org.br/

Principais Problemas ambientais da Mata Atlântica


Devastação / Agressões:
Num bioma do qual resta apenas 7% de sua cobertura original a riqueza faunística e florística está pressionada pelas atividades humanas. Só no Estado do Espírito Santo foram postos abaixo 3 bilhões de árvores nas últimas quatro décadas – o que dá a incrível marca de 8.500 árvores por hora. Segundo dois levantamentos publicados em 2001 pelo INPE e pela Organização S.O.S Mata Atlântica, referentes ao Paraná e Rio de Janeiro, no fim de 1990 o Paraná superou o Rio de Janeiro em termos de devastação: mais de 60 mil hectares da Mata Atlântica original em território paranaense desapareceram no período, enquanto 3,7 mil hectares foram desmatados no Rio.

Este post foi publicado a quinta-feira, junho 16th, 2011 no 1:22 am e categorizado em Uncategorized. Pode seguir os comentários deste post através do seu feed RSS 2.0. Você pode ir até o fim e deixar uma resposta. Pings não estão sendo aceitos.

Comentar